Edições Natureza © - Todos os direitos reservados. 2.003 - 2.015

 

 

   Vitamina E

 

 

Sinónimos

O termo vitamina E cobre oito compostos encontrados na natureza. Quatro deles são chamados tocoferóis e quatro são tocotrienóis, sendo identificados pelos prefixos a-, b-, g- e d. O alfa-tocoferol é o mais comum e o mais activo biologicamente destas formas de ocorrência natural de vitamina E.

O nome tocoferol deriva da palavra grega tocos, que significa nascimento, e pherein, que significa transportar. O nome foi dado para ressaltar o seu papel essencial na reprodução das várias espécies animais. O ?ol final identifica a substância como sendo um álcool.

Principais fontes na natureza

O óleos vegetais (amendoim, soja, palma, milho, cártamo, girassol, etc.) e o gérmen de trigo são as fontes mais importante de vitamina E. Fontes secundárias são as nozes, a sementes, grãos inteiros, e os vegetais de folhas verdes. Alguns alimentos básicos, como o leite e os ovos, contêm pequenas quantidades de a-tocoferol.

Para além disso, as margarinas e outros alimentos são fortificados com vitamina E.

Estabilidade

A luz, o oxigénio e o calor, factores prejudiciais ocorrentes em longos períodos de armazenagem e processamento de alimentos, diminuem o conteúdo de vitamina E dos alimentos. Em alguns alimentos tal pode decrescer em até 50% apenas após 2 semanas de armazenamento à temperatura ambiente. A fritura destrói, em grande parte a vitamina E nos óleos de fritar.

Principais antagonistas

Quando ingeridos ao mesmo tempo, o ferro reduz a disponibilidade de vitamina E no organismo, sendo isto especialmente crítico no caso de recém-nascidos anémicos.

As necessidades de vitamina E estão relacionadas com a quantidade de ácidos gordos polinsaturados consumidos na dieta. Quanto mais elevada a quantidade de ácidos gordos polinsaturados, maior a quantidade de vitamina E necessária.

Principais sinergistas

A presença de outros anti-oxidantes, tais como a vitamina C e o beta-caroteno, apoiam a acção anti-oxidante e protectora da vitamina E, sendo o mesmo verdade relativamente ao mineral selénio.

Funções

O papel principal da vitamina E é a protecção dos tecidos do corpo de reações que os danifiquem (perioxidação) as quais surgem a partir de muitos processos metabólicos normais e agentes tóxicos exógenos. Especificamente, a vitamina E:

  • protege as membranas biológicas, tais como as encontradas nos nervos, músculos e sistema cardiovascular.
  • ajuda a prolongar a vida dos eritrócitos (glóbulos vermelhos) e
  • ajuda o organismo a utilizar a vitamina A de forma óptima

A vitamina E tem sido utilizada com sucesso na terapia de:

  • doenças neuromusculares progressivas nas crianças com disfunções hepáticas ou biliares e em várias de doenças que afectam os bebés prematuros, tais como:
  • anemia hemolítica
  • hemorragia intraventricular e
  • fibroplasia retrolenticular, a qual pode provocar a cegueira.

Existem evidências que indicam que a vitamina E pode ter um papel importante em:

  • na caludicação intermitente
  • doenças trombóticas
  • função imunitária
  • prevenção do cancro
  • prevenção de doenças cardiovasculares
  • protecção das lipoproteínas contra a oxidação

Em estudos em animais, a vitamina E mostrou também ajudar a proteger contra os danos provocados pela poluição ambiental e fumo de cigarros.

Deficiência marginal

Dado que a depleção das reservas tecidulares de vitamina E leva bastante tempo, não há registo de sintomas de deficiência clínica em adultos saudáveis. No entanto, estudos laboratoriais revelaram mudanças bioquímicas, incluindo um tempo de sobrevivência curto dos glóbulos vermelhos, perdas musculares e produção acrescida do pigmento ceroso (pigmento do envelhecimento) em certos tecidos.

Baixos níveis plasmáticos de vitamina E têm sido associados com diversos tipos de doenças sanguíneas genéticas, incluindo a anemia falciforme, talassemia e deficiência G6PD (uma enzima envolvida no desdobramento dos açúcares).

Deficiência franca

Uma deficiência de vitamina E na dieta alimentar é rara. Os sintomas de deficiência são revelados em pacientes com má absorção de gorduras e em recém-nascidos, particularmente em prematuros.

Investigações recentes mostraram que a deficiência em vitamina E, causada por uma variedade de síndromas de má absorção de gorduras, resulta num tipo raro de doença neuromuscular progressiva em crianças e adultos. Os sintomas incluem uma perda de coordenação e equilíbrio e, em casos graves, a perda da capacidade de andar.

Em bebés prematuros, a deficiência em vitamina E está associada com a anemia hemolítica, hemorragia intraventricular e fibroplasia retrolenticular.

Dose Diária Recomendada (DDR)

A ingestão diária recomendada de vitamina E, varia de acordo com a idade e o sexo e com os critérios aplicados em diferentes países. Nos EUA, a DDR para adultos do sexo masculino é actualmente de 20 mg TE (15 IU), de acordo com o Conselho Nacional de Investigação (1989), mas esta recomendação varia desde os 7,5 IU no Brasil, aos 18 IU na Alemanha Ocidental, por exemplo. As recomendações para as grávidas são tão elevadas como 30 IU em certos países.

Suplementos

A vitamina E está disponível em cápsulas de gelatina mole, comprimidos mastigáveis ou efervescentes ou em ampolas e encontra-se em muitos suplementos multivitamínicos.

Utilização terapêutica e profilática

Existem evidências que a vitamina E é eficaz no tratamento da caludicação intermitente e nos sintomas causados pelos síndromas de má absorção das gorduras.

Os investigadores estão a investigar o papel profiláctico da vitamina E na prevenção de doenças cardiovasculares, na protecção contra agentes de poluição exógenos, bem como no fortalecimento da imunidade dos idosos, e na diminuição do risco de cancro e de cataratas.

Segurança

Ensaios clínicos, que utilizaram até 200 vezes a dose de ingestão recomendada pelos EUA para adultos, não mostraram provas consistentes de efeitos adversos da vitamina E. Quando presentes ocasionalmente, os efeitos colaterais desaparecem quando é descontinuada a dose elevada do suplemento. A ingestão elevada de vitamina E pode aumentar o risco de perdas de sangue em pacientes tratados com terapia anticoagulante. Os pacientes tratados com terapia anticoagulante ou naqueles pacientes em espera para cirurgias devem evitar níveis elevados de vitamina E.

Utilização na dermatologia e cosmética

A vitamina E tem sido utilizada topicamente como um agente anti-inflamatório, para realçar a hidratação da pele e para prevenir os danos celulares causados pela luz UV.

Utilização na tecnologia farmacêutica

O tocoferol é utilizado nos produtos farmacêuticos para estabilizar, por exemplo, os componentes aromáticos e os componentes de vitamina A ou provitamina A.

História

A importância da vitamina E nos seres humanos só foi aceite recentemente. Dado que a sua deficiência não se manifesta numa doença de deficiência vitamínica generalizada e bem reconhecida, tal como o escorbuto ou o raquitismo, a ciência apenas começou a reconhecer a importância da vitamina E relativamente tarde.

1911

Hart e os seus colaboradores publicam o primeiro relatório relativo a um ?factor de anti-esterilidade? nos animais.

1920

Matthill e Conklin observam anomalias reprodutoras em ratos alimentados com dietas de leite especiais.

1922

A vitamina E é descoberta por Evans e Bishop.

1936

Evans, Emerson, e Emerson, isolam o que vem a ser o alfa-tocoferol na sua forma pura, a partir do óleo de gérmen de trigo.

1938

Fernholz apresenta a formula estrutural da vitamina E, o vencedor de um prémio Nobel, Karrer, sintetiza o dl-alfa-tocoferol.

1945

Dam e os seus colaboradores descobrem peróxidos no tecido gordo de animais, alimentados com dietas pobres em vitamina E. É proposta a primeira teoria da actividade da vitamina E como anti-oxidante.

1962

Tappel propõe que a vitamina E actua como um anti-oxidante in vivo protegendo as células lipídicas dos radicais livres.

1968

O Comité de Alimentação e Nutrição do Conslho Nacional Americano para a Investigação reconhece a vitamina E como um nutriente essencial para os seres humanos.

1974

Fahrenholtz propõe as propriedades de extinção do oxigénio singleto do alfa-tocoferol.

1977

São descritos os síndromas de deficiência em vitamina E nos seres humanos.

1980

Walton e Packer propõem que a vitamina E pode prevenir a geração produtos oxidativos potencialmente carcinogénicos dos ácidos gordos insaturados.

1980

McKay e King sugerem que a vitamina E actua como um anti-oxidante localizado primariamente na membrana celular.

1980s

Demonstra-se que a vitamina E é o maior anti-oxidante lipossolúvel que protege as membranas celulares da perioxidação. É demonstrado que a vitamina E estabiliza os radicais livres superóxido e hidróxilo.

1990

É mostrada a eficácia da vitamina E na inibição da oxidação dos LDL.

1990

Kaiser e os seus colaboradores elucidam as propriedades de extinção do oxigénio singleto da vitamina E.

Conhecem-se, no grupo das vitaminas E, três tipos: alfa, beta e gama tocoferóis. Sua função específica é garantir a normalidade da reprodução e do metabolismo muscular. Sua deficiência provoca a esterilidade. No macho, verifica-se a degeneração do epitélio germinativo testicular, azoospermia (esterilidade irreversível). Na fêmea, o embrião desenvolve-se por alguns dias, depois se atrofia, morre é reabsorvido com a própria placenta (esterilidade por reabsorção do ovo).

"Pouco se sabe sobre o mecanismo bioquímico da vitamina E. Emitiu-se a hipótese de que possa intervir nos fenômenos de oxidação, como transportador de hidrogênio. Visto que se desconhecem sintomas de carência do tocoferol na espécie humana, compreende-se que o estabelecimento de qualquer dose profilática ou terapêutica é tudo quando há de mais arbitrário. Felizmente não se trata dum princípio tóxico, o que permite grande liberdade de administração. Alguns autores aconselham a dose de 2 miligramas durante a puberdade e a de 4 ou 55 no estado de gravidez. Mas há também quem eleve a dose profilática do aborto a 10 e a 20 miligramas por dia, a tomar durante dois ou três meses, e quem afirme que seriam convenientes doses 2 a 5 vezes maiores, administradas durante uma a duas semanas, para combater o aborto eminente. Como tratamento das afecções neuromusculares têm-se dado doses de 50 miligramas por dia, e superiores".

Principais fontes:

100 gramas de alimento

Vitamina E (miligramas)

100 gramas de alimento

Vitamina E (miligramas)

Alface

6,0

Óleo de coco

2,7

Azeite de oliva

8,0

Óleo de gergelim

5,0

Banana

0,5

Óleo de linhaça

23,0

Couve

6,0

Ovo

1,0

Manteiga

2,6

Ovo (gema)

3,0

Milho, germe

16,0

Trigo (germe)

30,0

Óleo de amendoim

16,0

Trigo (óleo de germe)

520,0



Medicina Alternativa®