Edições Natureza © - Todos os direitos reservados. 2.003 - 2.011                                                 

 

 

Castanha da Índia- Aesculus Hippocastanus L.

 
 

 A castanha-da-índia recebeu este nome por acreditar-se ser oriunda da Índia, mas na verdade é originária dos Balcãs. Foi introduzida na França em 1651 e difundiu-se intensamente no século XVIII em parques e avenidas de toda Europa. Esta é uma das primeiras árvores a florescer na primavera.

 Mecanismo de Ação

 São seus constituintes saponinas triterpênicas(8-28%), principalmente aescina e aescigenina; flavonóides (quercetina,canferol e esculina); heterosideos cumarínicos (esculosideo);vitaminas (B, K1,C, pró-vitamina D); ácidos graxos (2-5%); proteínas (8-10%); taninos; fitosterol; açucares.
Sabemos que a semente da chamada Aesculus hippocastanum, da família Hippocastanaceae, conhecida pelos íntimos como Castanha-da-Índia, apresenta propriedades demonstradas cientificamente como excelente tônico circulatório, adstringente, anti-hemorrágico, antiinflamatório e vasoconstritor, cuja principal ação se faz sobre o sistema venoso, aumentando a resistência e o tonus das veias, diminuindo a permeabilidade e a fragilidade capilar.
Tais importantes propriedades devem-se aos saponosídeos, hidroxicumarínicos e derivados flavônicos, que atuam positivamente sobre a fragilidade dos vasos capilares e como vasoconstritores periféricos.
Sabendo disso tudo, a ciência médica indicou seu uso para o tratamento sintomático dos males advindos de distúrbios do sistema venoso, aliviando portadores de varizes e suas complicações. As hemorróidas, por serem também varizes, porém em localização muito mais delicada (e dolorosa) que as dos membros inferiores, também podem ser tratadas com a nossa castanha.
Sua principal ação é sobre o sistema venoso, aumentando a resist6encia e o tônus das veias. Diminui a permeabilidade e a fragilidade capilar.
Suas propriedades se devem principalmente aos saponosídeos, hidroxicumarinas e derivados flavônicos que atuam sobre a fragilidade capilar e como vasoconstritores periféricos. Desta forma, a castanha-da-índia ativa a circulação sangüínea e favorece o retorno venoso prevenindo acidentes vasculares, estase venosa, espasmos vasculares e tromboflebites.
O efeito tônico da castanha-da-índia sobre o sistema venoso é percebido 15 a 30 minutos após a ingestão, traduzindo –se principalmente pelo alívio da dor.
São ainda objeto de pesquisas suas propriedades espasmolíticas e coronariodilatadora.

Indicações da Castanha-da-Índia

Atualmente, é largamente cultivada na Europa. As sementes contêm: proteínas, flavonóides, um complexo conhecido como "escina", dextrina, óleo graxo, amido, gomas, carboidratos, princípios amargos, esculina, saponinas triterpênicas e açúcares.
O extrato de castanha-da-índia é padronizado em escina, que é o princípio ativo responsável pela ação extraordinária anti-inflamatória.
A castanha-da- índia é indicada como fitoterápico no tratamento de perturbações da circulação venosa. Nos casos de flebites, e como preventivo de varizes e hemorróidas. Age como um tônico circulatório.
A castanha-da-índia tem efeito adstringente, antiinflamatório, analgésico, febrífugo e vasoconstritor.
Como fitocosmético a castanha-da-índia é indicada no tratamento da queda de cabelo e para cabelos fracos.

Atenção

O uso de castanha-da-índia não é recomendado para crianças.



Medicina Alternativa®