Edições Natureza © - Todos os direitos reservados. 2.003 - 2.015

 

 

   Alho  -  Allium Sativum L.

 
 
O alho é uma planta hortense, da família das Liliáceas, cujo bolbo se emprega tanto na cozinha como na Medicina caseira.

O uso do alho como agente medicinal data de época remotíssima. Sua aceitação baseou-se, certamente, em resultados bem observados, pois que sua indicação aparece na primitiva Medicina grega, hindu e egípcia.

Desde a antigüidade lhe é atribuído efeito corretor sobre os gases abdominais, e sobre a flatulência estomacal, causadora, entre outros sintomas incomodativos, de freqüentes eructações.

Estudos modernos confirmam sua ação benfazeja sobre diversas moléstias gastro-intestinais.

Temos, pois, no alho, uma utilidade real, como remédio e condimento.

COMPOSIÇÃO QUÍMICA : Calorias, água, hidratos de carbono, proteínas, gorduras, sais, Vitaminas : B1, B2, B5, C, cálcio, fósforo, ferro.

USO MEDICINAL : O alho é indicado nas afecções catarrais agudas e crônicas, nas bronquites crônicas que dificultam a respiração, na tuberculose, na pneumonia, na asma, etc. Faz com que os escarram diminuam e percam o seu aspecto purulento. Combate eficazmente a tosse. Provoca uma melhora geral no estado do enfermo, mormente em caso de tuberculose.

É excelente nos resfriados e nas gripes.

Usa-se o alho como hipotensor, em caso de pressão alta. Emprega-se também no tratamento das varizes.

Amassado com azeite de oliva combate a prisão de ventre, regularizando o peristáltismo. Outrossim, estimula a secreção dos sucos gástricos e intestinais, favorecendo a digestão. Combate as toxinas intestinais e expulsa os vermes, mesmo a solitária.

Como vermífugo, usa-se o alho, em emulsão, com leite. Toma-se 3 ou 4 vezes ao dia.

Empregam-se também com bons resultados como: anti-séptico, carminativo, depurativo do sangue, diurético, emoliente, febrífugo (muito útil nas febres intestinais), tônico.

É usado em casos de ácido úrico, cálculos, cólera, diabetes, difteria, enfermidades do fígado, dos rins e da bexiga, esgotamento, hidropisia, insônia, paludismo,picaduras de animais venenosos, reumatismo, sífilis, tifo, úlceras.

Médicos ingleses, empregavam, há anos, com bom êxito, o suco de alho no tratamento de úlceras purulentas. Duas lavagens diárias com suco de alho diluído em água destilada produz uma melhora notável já dentro das primeiras 48 horas.

Externamente  usa-se o alho contra calos, verrugas, sarna, impigem, tinha, manchas da pele, etc.

Para acalmar a dor de ouvido, aplica-se algodão embebido em azeite fervido com alho.

CONTRA INDICAÇÕES : Os que sofrem de hipotensão arterial, devem ser parcimoniosos no uso do alho, pois lhes abaixa ainda mais a pressão.

As lactentes devem evitar o uso liberal do alho, de vez que pode provocar cólicas no ventre do lactente.

Em doses muito elevadas, o alho produz dor de cabeça, dor no estômago, dor nos rins, cólicas, vômitos, diarréias, tontura.

VALOR ALIMENTÍCIO

O alho é muito valioso, não só pelas suas propriedades condimentícias, mas também pelo seu conteúdo em sais e vitaminas.

Como um dos mais saudáveis dentre todos os vegetais, deveria o alho ser usado mais largamente na alimentação diária.

Empregado como tempero, enriquece o sabor dos pratos, estimula o apetite, e provoca a secreção dos sucos gástricos.

Quem, na sua cozinha, introduz esse humilde bulbo, com freqüência mas sem tino, é desprezado e até ridicularizado por causa do seu olor, mas conta com um dos mais poderosos germicidas e mais valiosos preventivos inúmeras enfermidades.

Muita gente reconhece as virtudes do alho, mas não se dispõe a comê-lo ao natural em virtude do seu cheiro ou do seu gosto, que alguns têm como desgradável, ao passo que nada sabem dizer contra o olor e o sabor do tabaco; cujo uso deveria, pelo menos aos olhos das pessoas de bom senso, ocupar o primeiro lugar entre os desprezados e ridicularizados, pois normalmente ofende as narinas e revolta o estômago dos indivíduos normais, que são os não viciados.

O problema do cheiro e gosto do alho pode, todavia, ser contornado.

Afirma-se que o gosto pode ser eliminado tomando-se algumas gotas de azeite de raiz de angélica e que o cheiro pode ser combatido comendo-se salsa crua.

Recomenda-se também a mastigação de boa quantidade de nozes em conjunto com o alho.

O suco de limão, misturado com igual quantidade de água, e tomado meia hora após a ingestão do alho, também lhe destrói o odor. O mesmo suco também serve para desodorizar as mãos.



Medicina Alternativa®